Páginas

Translate

mapa

translator

contador

ClustrMaps

ENOBLOGS

domingo, 31 de agosto de 2008

Ilustração 1: * IMPORTANTE VENTILADOR DE TECHO. * LABRADA LA PARTE DONDE SE FIJA AL TECHO, ASI COMO TAMBIEN SU CUERPO. * ESTA SELLADO Y DICE BUXTON GUILAYN, DISTRICT SALES GENTS. BUENOS AIRES ARG * EL MISMO NO FUNCIONA PERO SE ENCUENTRA COMPLETO. * LE FALTAN LA PALAS. * DIGNO DE SER RESTAURADO. * NO TE PIERDAS ESTA OPORTUNIDAD DE ADQUIRIR UNA PIEZA NO MUY FACIL DE CONSEGUIR, DIGNA DE SER RESTAURADA. Fonte: http://oferta.deremate.com.ar/id=18555670_ventilador-de-techo-antiguo Acessado em: 31 de agosto de 2008. Hora: 02:15 h.

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

ALGUMAS AFIRMAÇÕES SOBRE OS ÍNDIOS QUE HABITARAM A FRONTEIRA

Introdução

Sempre é interessante lembrar algumas afirmações sobre os índios que habitaram a fronteira, para fazer comparação, cotejamento, com outras fontes, outras interpretações. No caso, por exemplo, de Docca (1954), tantos minuanos, como charruas, assim como os chanas, tinham a mesma identidade cultural, o que não parece ser verdade, pelos estudos atuais. Por outro lado, Na visão de Lamberty (1991), Tape era um “País”. O que é “País”? Pode-se interpretar a região do Tape como um “País”? Não seria por demais uma visão eurocentrista? Para Lessa (1985), existia uma “Nação” Güenoa. Mas, com perdão da palavra, então os guenoas eram a grande família indígena, dominante, da fronteira? Para Vellinho (1964), as Missões Jesuíticas eram uma verdadeira “clausura” para os guaranis. Bem, diga-se que poderia ser uma exagero, uma certa ironia, imaginar um índio enclausurado; que quer dizer o que, mesmo?

DOCCA , E. F. de Souza. História do Rio Grande do Sul. Simões. Rio. 1954. p.78: Minuano — "Sendo como os charruas uma tribo da nação Chaná, tinham os mesmos hábitos e caracteres físicos daqueles, dos quais foram aliados constantes".

LAMBERTY, Salvador Ferrando. ABC do Tradicionalismo Gaúcho. Martins. Porto Alegre. 1991. p.11: O Índio — "A grande nação indígena, que habitava nossas terras, formava grupos distribuídos pelas regiões. [...] A nação indígena permaneceu soberana até 1626, quando da chegada dos espanhóis à terra dos guaranis ou País do Tape, como chamaram os europeus".

LESSA, Luiz Carlos Barbosa. Aspectos da Sociedade Gaúcha. Proletra. Porto Alegre. 1985. p.8: Os Índios e as Vacarias — "Nas planícies entre a Lagoa Mirim, pontas do Rio Negro e rio Ibicuí os primeiros desbravadores encontraram tribos errantes, da nação güenoa — minuanos, charruas, jaros, etc."

VELLINHO, Moysés. “Formação Histórica do Gaúcho Rio-Grandense”, em Rio Grande do Sul Terra e Povo. Globo. Porto Alegre. 1964. p.34: “Fora da clausura missioneira, vagavam primitivamente tribos de outras nações nativas, mas quando o Rio Grande entrou a crescer como fração do Império português, estavam elas já muito rarefeitas, chegando algumas até o completo desaparecimento”. (ZATTI, Carlos. “Nações Indígenas”. 29 de Julho de 2008 – 01h:06min:10. Fonte: http://www.estadomsnews.com.br/categorias/ver.php?id_materia=Mzc1OQ== . Acessado em: 27 de agosto de 2008. Hora: 20:00 h).

FAMÍLIA M'BAYA

Introdução

A origem do nome Bagé, reconhecidamente indígena, aproxima-se da “grande família m'baya”, em vários sentidos, especialmente nas suas correlações com minuanos, charruas, Yaros, m'boanes e chanás, tribos que habitaram a região da fronteira, com um território mais ou menos definido, embora modo de vida nômade. O trabalho de Luís Pinto, acentuava essa identificação entre a família m'baya, importante para a história da região de Bagé e municípios circunvizinhos.


Minuanos (etno.) - Ameríndios da grande família m'baya, como os charruas, Yaros, m'boanes e chanás. Viviam em alguns lugares do Uruguai e do Rio Grande do Sul – à margem dos charruas, e na Província de Entre-Rios e parte das de Santa Fé e Corrientes. Caracterizavam-se por viver em pequenos grupos de 40 ou 50 famílias. Os últimos aldeamentos na margem oriental do rio Uruguai, foram localizados junto aos rios Cacequi e Ibicuí, no Rio Grande do Sul, na metade do século XIX. (PINTO. Luís Flodoardo Silva. As Missões Orientais - Epopéia Jesuítica no Sul do Brasil. Porto Alegre: AGE, 2002, p. 125). Disponível em: http://books.google.com.br/books?id=nFffUgi4tj0C&source=gbs_summary_s&cad=0 . Acessado em: 27 de agosto de 2008. Hora: 19:30 h.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

GAUCHO

GAUCHO


Varias conjeturas se han hecho para explicar el origen de esta palabra que se documenta en la zona del Río de la Plata desde la segunda mitad del siglo XVIII.

Algunos han querido derivarla del quechua ("guacho" < uájcha), otros del mapuche ("guaso"), otros del vasco ("haurtxo") o bien de la palabra "gauderio", nombre más antiguo con que también se designaba a los gauchos.

Hay que tener en cuenta que la forma original parece haber sido "gaúcho", tal y como testimonian las documentaciones más antiguas de la palabra ("gahucho", "gabucho") y como se pronuncia todavía en Brasil y, al parecer, hasta fechas no muy lejanas, en Uruguay según Jorge Luis Borges ("Tlön, Uqbar, Orbis Tertius"):

"Hablamos de vida pastoril, de capangas, de la etimología brasilera de la palabra gaucho (que algunos viejos orientales todavía pronuncian gaúcho)"

La pronunciación actual es, pues, fruto del antihiatismo característico del español de América y, en particular, del lenguaje gauchesco.

La hipótesis más verosímil que conocemos sobre el origen de esta palabra es la que da Marcos Morínigo en su "Diccionario del español de América"1:

"GAUCHO. (Del guaraní ca’ú y el sufijo español "cho") (...) Investigaciones recientes prueban concluyentemente que el nombre GAUCHO nació en el trifinio argentino-uruguayo-brasileño actual. La primera mención documental conocida se encuentra en una comunicación del comandante Pablo Carbonell al gobernador Vértiz del 23 de octubre de 1771, en la que se dice que "Habiendo tenido noticia de que algunos Gahuchos se habían dejado ver..." Este texto permite suponer que en esa fecha la voz no era ya novedosa, y su grafía denuncia que no se pronunciaba gaucho sino gaúcho -como todavía se dice en el Brasil-, que es forma más arcaica y por tanto probablemente más cercana a la etimológica. La segunda mención de la voz aparece en un informe enviado al mismo gobernador Vértiz en que Ignacio Paredes dice: "Yo por salir tan pronto fui con muy poca gente, que casi todos los gauchos me han hecho burla...", y unas líneas más adelante: "En el campo se rreconoze que hai muchos Gauchos...”. Es muy de notar que en las comunicaciones oficiales el término gaucho está sustituido por "cuereadores". Todo esto se explica si se supone que "gaucho" era ya voz bien conocida en la región, pero por ser tenida por india no parecía apropiada para escribirla en un documento oficial. Que la voz no era del portugués brasileño se afirma en el "Diario resumido" de José de Saldanha (1787), que dice: "Gauches, palabra espanhola usada neste país para expressar aos Vagabundos, ou Ladroes do campo, quais Vaqueiros, costumados a matar os Touros chimarroes, a sacar-lhe os Couros, e a levalos ocultamente as Povoaçoes, para a sua venda ou troca por outros generos". En resumen, "gahúcho" o "gaúcho" es voz que por el año 1787 empieza a sustituir también en el sur del Brasil a los antiguos "changador", documentado desde 1729, y "gauderio", documentado en el año 1746, que eran las denominaciones españolas de "las gentes que se emplean en estas faenas de matanza de reses.. hacen sus cueros y tratan con los Portugueses de Río Grande, que los compran a cambio de bebidas, tabaco negro y algunas ropas". GAUCHO era, pues, un regionalismo usado en el dominio español colindante con el portugués de Río Grande. Este dominio lo formaban el actual territorio uruguayo, el territorio llamado de los siete pueblos de misiones de guaraníes, y las actuales provincias argentinas de Corrientes y Misiones. Esta extensa zona estuvo infestada durante todo el siglo XVIII de ladrones de ganado -changadores, gauderios- reunidos en cuadrillas, que hacían vida nómada. Eran en su mayor parte fugitivos de la justicia o desertores de los ejércitos, españoles y portugueses, negros y mulatos, mestizos o indios guaraníes fugitivos de las misiones e indios charrúas que se les unían para el merodeo. Sus víctimas eran los propietarios de la región y los pueblos de indios de las misiones que poseían estancias de ganado. El ganado robado, o los cueros, lo vendían, obteniendo así el dinero para "los vicios", que eran el mate, el tabaco y sobre todo el alcohol, al que todos eran aficionados con exceso. Pues bien, este alcohol era llamado "ca’ú-in" en la lengua de los guaraníes de la zona. "Ca’ú" significa ‘borrachera’, "ca’ú-in" ‘agua de la borrachera’, y "ca’úcho", ‘borrachín’, voz esta última todavía vigente en el guaraní de Corrientes, Misiones y el Paraguay. Como aquellos "changadores" enemigos de los indios de las misiones eran en su mayor parte borrachines, no parece demasiado arriesgado suponer que los hablantes de guaraní de la zona los llamaran despectiva o injuriosamente "ca’úchos", ‘los borrachines’, y que la denominación fuera aceptada con aplauso por los españoles de la zona. El paso de "ca´úcho" a "gaúcho", forma vigente aún en la zona donde la voz se originó y la primera documentada, pudo ocurrir en forma espontánea a poco de incorporarse la voz al español local o por influencia de "gauderio". Queda por explicar cómo el sufijo español -cho se unió a la voz guaraní "ca’ú". Si se tratara de un caso aislado, ello sería difícil, pero hay en guaraní otros híbridos formados de la misma manera, o con la terminación -ncho, que también pasaron al español de la región, como "pirucho", "pucucho", "baícho", "cambacho", "guasucho", "vinacho", "carancho", "carpincho", "quirincho", "guasuncho". La frecuencia de estos sufijos en el español del Río de la Plata, en nombres propios tanto como comunes, es un hecho característico. Visto en este contexto la etimología de GAUCHO desde "ca’úcho" es lingüística, histórica y culturalmente no sólo inobjetable, sino plenamente verosímil. Desde el punto de vista semántico es bien conocida la variación del contenido de "gaúcho" hacia GAUCHO en español. En el siglo XVIII es voz equivalente a "changador" y "gauderio", es decir, de ladrón de ganado, con las significaciones concomitantes de holgazán, nómada, perverso, cruel y encenagado en el vicio. Estas acepciones se mantienen hasta bien entrado el siglo XIX y no han desaparecido por completo, pues en algunos casos GAUCHO equivale a holgazán vicioso sin arraigo, malevo, taimado. La incorporación del GAUCHO a los ejércitos que guerrearon por la independencia cambió la repulsión anterior en simpatía, el estigma en estima. Se empezó a ver que el cuatrero bárbaro poseía cualidades útiles para la guerra, como, por ejemplo, su destreza de jinete, su resistencia para las fatigas y penurias, su amor a la libertad, su valor personal y su lealtad al caudillo. Terminadas las guerras de la Independencia, los caudillos argentinos y uruguayos de las guerras civiles lo halagaron por todos los medios posibles para enrolarlo en sus filas. Pero entre tanto las condiciones de la vida campesina se habían modificado totalmente. El trabajo más organizado de las estancias hacía imposible la vuelta al nomadismo y al cuatrerismo, y el GAUCHO se asentó en ellas tanto por necesidad como por inclinación, transformándose en el brazo indispensable del trabajo. En la segunda mitad del siglo XIX la literatura y la historia se apoderaron de él para vindicarlo ante la posteridad."


Fonte: http://www.geocities.com/Athens/Delphi/3925/G.htm  . Acessado em: 15 de maio de 2006. Hora: 20:16 h.

sábado, 16 de agosto de 2008

BAGÉ: CRONOLOGIA DE UMA PALAVRA

Introdução

As primeiras referências documentadas da palavra Bagé estão relacionadas à geografia da região da Campanha e a partir das denominações que fizeram os luso-brasileiros e os Hispano-platinos, respectivamente, a partir de seus embates num contínuo de avanço e retrocesso da ocupação na zona de fronteira entre os reinos de Espanha e Portugal, num primeiro momento, e , em seguida, entre o império do Brasil e reino de Espanha - Províncias Unidas do Prata(Argentina) e Província Oriental(Uruguay), por força dos tratados de Madrid e Santo Ildefonso no século XVIII, possuímos uma razoável cartografia da região da Campanha em virtude de que as linhas demarcatórias definem-se sobre estas paragens.

Notadamente a partir das expressões estância de Santa Tecla, coxilhas(ondulações suaves, de pequena altitude) de Santa Tecla e, finalmente, Forte de Santa Tecla, irá surgir, adjunto, "Paso de Bayé"( do ponto de vista da topografia, um passo significa um lugar de trânsito mais ou menos facilitado, o que fortalece a idéia do "caminho seco", entre a Província de Montevídeo, Banda Oriental, e a região das Missões), "Serros de Bayé", estas as primeiras referências documentadas a partir da cartografia do século XVIII.


Santa Tecla no Contexto
Missioneiro

As primeiras referências sobre Santa Tecla, na região que seria futuramente Bagé, estão relacionadas as Missões Guaranis, dentro de um conceito de ocupação de terra nitidamente espanhol, aos limites meridionais da estância de São Miguel: "En este marco la vemos señalada en los mapas( exemplo es el 'Mappa q. demonstra o caminho q. fizerao as Troppas de S. M. F. e S. M. C. ...', aproximadamente 1755, en Torre Revello, Mapas y Planos referentes al Virreinato del Plata, lámina XII) de mediados del siglo XVIII por una Capilla construída allí."(ORECCHIA, s/d, p. 10 e p. 22).


Expedição de 1774:
Vertiz y Salcedo,
A Conhecida Expedição Punitiva

O mapeamento da região destacava, dentre muitos acidentes geográficos, coxilha de Santa Tecla, onde Vertiz construirá o Forte, e, nas cabeceiras do Rio Negro, conforme mapa, está anotado “Paso de Bayé en el R. Negro”, sob o número 31 da Explicacion descritiva dos citados acidentes geográficos, reprodução de mapa encontrado na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro(GOLIN, 2000, p. 91).


O Mapa Cronográfico do
Major José Saldanha,
De 1786


Nesta carta, a referência geográfica Serros de Bayé e Santa Tecla, estão destacados.

Em seus Diário Resumido da Demarcação, escreve Saldanha: "Mbayé, Cerros já descritos na derrota de 1786, cuja significação entre os Tapes(denominação genérica dos índios das missões, inclusive os da região de Bagé) exprimia Cerro, Monte, ou propriamente coisa que faz uma figura alta.
Segunda Saldanha, sua etimologia é de difícil definição. Portanto, a expressão bayé, vocábulo que surge da pronúncia em espanhol, é de surgimento anterior à carta de Saldanha, conforme a referência de 1774.
Ainda com relação a sua etimologia, pelo fato dos índios minuanos, guenoas e charruas possuírem um tronco lingüístico comum ao quíchua (conforme pesquisa de Moacyr Flores e outros) e não ao Tupi-Guarani( como tem sido lugar comum, em alguns estudos), sabe-se que no altiplano andino a expressão Mbayé remete também a cerro, monte, promontório.
Logo, a expressão Bagé origina-se em denominação de origens e de lugar.

A criação do núcleo urbano e até nome de pessoas, como o lendário índio Ibagé, recebem a alcunha a partir da geografia da região e não o contrário, conforme muitos acreditam e defendem.
Não se pode afastar a idéia da existência de um índio com o referido nome, mas, do ponto de vista cronológico, tal índio teria, no mínimo, mais de 150 anos, a julgar pela afirmativa de muitos, a situá-lo no século XVII e outros no século XVIII, hipótese já discutida por Masueto Bernardi, mas não de todo aprofundada e sem os subsídios(os mapas) que a pesquisa de Tau Golin proporcionam na atualidade.

Ao recuarmos em busca das cartas, dos mapas missioneiros(daí a necessidade de se procurar fontes espanholas), é provável que encontremos os acidentes geográficos, serro e passo de Bayé( o y teria som de g, na pronúncia em espanhol). No entanto, a referência mais antiga é Paso de Bayé en el R. Negro, em 1773-1774.


Referências Bibliográficas:



Ronaldo Fuchs, Bacharel em História.
Claudio Antunes Boucinha,
Mestre em História.
Diretor do Arquivo Público Municipal de Bagé.

domingo, 10 de agosto de 2008

Nos Caminhos do Rio Grande

Prezados Amigos: Na Rádio Guaíba, no programa “Nos Caminhos do Rio Grande”, na série 2006, mais precisamente no dia 07 de outubro de 2006, foi apresentado um programa exclusivo sobre Bagé. Apresentação: Armando Burd. Produção: Fabiane Christaldo.
Participantes:
Prefeito Luiz Fernando Mainardi.
Ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal, Paulo Brossard.
Diretor do arquivo público municipal e historiador Cláudio Boucinha.
Coordenadora da quinta Festa Internacional do Churrasco e do Parque do Gaúcho, Regina Quadros.
Secretária municipal de cultura, Jussara Carpes.

O programa foi composto de dois blocos:
1º Bloco
2º Bloco

Para ouvir as reportagens, você precisa do software de áudio Real Player.

Site da Rádio Guaíba: http://www.guaiba.com.br/caminhos.asp?id=752 .

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Apparício Torelli

Apparício Torelli


Dentes


Belos dentes ideais, dentes perfeitos,
Enfeitam a tua boca cor de rosa...
Dentes que mordem... Dentes sem defeito,
Dispostos numa curva donairosa.

Lindos dentes sem par, que foram feitos
Por dentista de mão habilidosa,
Para trincar cocadas e confeitos
Numa dentada certa e voluptuosa.

São teus dentes de alvura alvinitente,
Lindo teclado de marfim polido
Dum estranho piano... Especialmente

Se comes feijão preto, remexido,
A casquinha que fica sobre o dente
Dá-me a exata impressão dum sustenido.

Fonte: Correio do Sul, quinta-feira, 1º de janeiro de 1920.


Quem foi o Barão de Itararé?


Nome verdadeiro - Aparício Torelly (Y?). Gaúcho, nasceu a 29 de janeiro de 1895. Era filho de brasileiro e índia charrua uruguaia, neto de americano e descendente de russos. Aos 14 anos lança seu primeiro jornal, Capim Seco. Em 1918 (data certa?), abandona o curso de medicina e vira articulista de O Globo e posteriormente do Correio da Manhã. Em 1926, funda o jornal A Manha, "um órgão de ataques...de risos", no qual cria personagens com os sisudos políticos da República Velha. Com a Revolução de 1930, proclama-se Duque, herói da Batalha de Itararé (que não existiu). Preso várias vezes, é anistiado em 1945 e define: "Anistia é um ato pelo qual os governos, resolvem perdoar generosamente as injustiças e os crimes que eles mesmos cometeram”. Farsista insuperável, trocava em miúdos temas graúdos: "Negociata é um bom negócio para o qual não fomos convidados."

OUTRAS DO BARÃO DE ITARARÉ...

O QUE É O QUE É?
A carne da moça é dura;
Mais dura é quem a furou;
Meteu o duro no mole,
O duro dependurou.


Provérbio Enigmático

EMBO CAFE CHA DANÃO ENTRAMOS CA

Em 1934, o Barão de Itararé abre o "Jornal do Povo". Durante dez dias, publica em capítulos a história do marinheiro João Cândido, líder da Revolta da Chibata de 1910 (pelo fim dos castigos corporais na Marinha). O Barão é seqüestrado e espancado por oficiais nunca identificados. Retoma à redação e afixa placa na porta "Entre sem bater..."

TEMAS GRAÚDOS TROCADOS EM MIÚDOS:

"O problema do menor é o maior do Brasil".
"Pela estrada se conhece o Prefeito". Fonte: http://www.sac.org.br/SAC00084.htm . Acessado em: 8 de agosto de 2008. Hora: 01:14 h.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

EM 1700, O RIO NEGRO

 



NO MAPA DO "CHACO", EM 1700, CONSTAVA O RIO NEGRO, COM SEUS AFLUENTES E EM CUJAS NASCENTES ESTAVAM "PUEBLOS DE INFIELES" (POSSIVELMENTE, DE CHARRUAS, MINUANOS E OUTROS).
Posted by Picasa

TRATADO DE MADRID, 1750

 


NO MAPA DO PARAGUAI, POSSIVELMENTE DE 1750, POR OCASIÃO DO TRATADO DE MADRID, EM QUE APARECEM DIVERSAS "ESTÂNCIAS", NOME ORIGINALMENTE ESPANHOL; CONSTAVAM ESTÂNCIAS DOS GUARANÍS (NO SUL DO RIO IBICUÍ), DOS ESPANHÓIS, DOS PORTUGUESES, E OUTRAS; CONSTAVA O TRAÇADO DO TRATADO DE MADRID, PARTINDO DE "CASTEILLOS", ATÉ AS "CABECERAS DEL RIO NEGRO", E SEGUINDO; A PRESENÇA DOS "INFIELES", POSSIVELMENTE REFERIA-SE AOS "CHARRUAS" E OUTROS, QUE NÃO ADOTARAM O CATOLICISMO, COMO OS "GUARANÍS".
Posted by Picasa
 


NO MAPA DO PARAGUAI ANTIGO, CONSTAVA O RIO NEGRO, NASCENTES E AFLUENTES; A REGIÃO DO "TAPE"; A REGIÃO OCUPADA PELOS CHARRUAS;
Posted by Picasa

O PARAGUAI, EM 1786

 

O MAPA DO PARAGUAI, DE 1786, REVELA "LOS CASTILHOS"; O CAMINHO ATÉ AS PASTAGENS NA PARTE DO SUL DAS MARGENS DO RIO IBICUÍ;A REGIÃO DAS TRIBOS GUARANÍS; O RIO "NOIRE" (em francês; em português, "preto", "negro") E SEUS VÁRIOS AFLUENTES E NASCENTES; A LOCALIZAÇÃO DOS CHARRUAS, NO URUGUAI.
Posted by Picasa

Sudamerica

 


O MAPA, SUDAMERICA, DESCREVE A LOCALIZAÇÃO DO RIO NEGRO, DAS DUAS NASCENTES QUE SE LOCALIZAVAM NA REGIÃO QUE ATUALMENTE ESTÁ SITUADA BAGÉ; DAS TRIBOS DOS CHARRUAS; O TERRITÓRIO GUARANI QUE SE ESTENDIA ATÉ A REGIÃO DE BAGÉ. EMBORA O TRAÇADO IRREGULAR, O MAPA, SUDAMERICA, SUGERE UMA VISÃO DE MUNDO, UM PONTO DE VISTA SOBRE A REGIÃO DE BAGÉ, NA ÉPOCA DA COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA.
Posted by Picasa

domingo, 3 de agosto de 2008

Charrúas, minuanos e guenoas, "Aborígenes en el Chaco Salteño en los siglos XVII y XVIII"

 
Posted by Picasa


Mapa nº 04 - Tribes of the Gran Chaco: Locations at the first European contact.
Fonte: http://www.misiones.catholic.net/salta/historia/granchaco.jpg .

No Mapa 04, observa-se a descrição da localização de charrúas, minuanos e guenoas, "Aborígenes en el Chaco Salteño en los siglos XVII y XVIII"; tribos especialmente caras para a região de Bagé. Também observa-se, no Mapa 04, a expressão "Mbayá", como um designativo de um conjunto de tribos, entre elas, "guaná". A expressão "Mbayá", era muito parecida com "Mbayê", plural de "Mbay", "cerro", "monte", entre os índios da região do Tape, descritos no ponto de vista de José de Saldanha.

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Pastagens

Estudo Descritivo das Pastagens
do Rio Grande do Sul Dividida
em 1ª, 2ª e 3ª Categorias.


Bagé – Em sua imensa maioria os campos são excelentes, havendo pequenas manchas de campos inferiores no vale do Camaquã.

Conta a flexilha, trevo indígena, trevo da Borgonha, coqueirinho, capim forquilha, treme-treme, milha, pé de galinha.

Cultivam-se como forrageiras a alfafa, aveia, cevada, azevem, milho.

Dentre os estabelecimentos que cultivam o plantio de forrageiras destacam-se a Granja “Dêdê”, do Visconde de Ribeiro Magalhães; Granja Vieira, de Feliciano Gonçalves Vieira; Estância do Tigre, da Viúva Dr. Gervásio & Filhos.

Fonte: MÁSCARA (Magazine). Número Comemorativo do Centenário da Independência do Brasil: Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 1922.